GRACILIANO RAMOS: ARTISTA E CIDADÃO


Carlos Alberto Abel dos Santos

LANÇAMENTO DIA 20 DE SETEMBRO 07, no estande 225 APPERJ/OFICINA Editores, Rua "L", Pavilhão Azul, Riocentro, às 11:35h, durante a XIII Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro, Rio/RJ.

A melhor informação acerca desse livro é o testemunho do grande escritor Ciro dos Anjos: “Leitura amena, despojada de terminologia pomposa e das teorizações obscuras que tanto obscurecem os trabalhos acadêmicos. A escrita é fluente, aliciante. Dá-nos uma imagem viva de Graciliano, leva-o a dialogar conosco, presentifica-o como e quando o conheci. Seu pessimismo. Sua rudeza. Mas seu caráter, sua firmeza, sua dignidade.”

Carlos Alberto dos Santos Abel é doutor em Letras Vernáculas (Literatura Brasileira), pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professor aposentado pela Universidade de Brasília.

 

O VIOLEIRO COMUNISTA

CARLOS ALBERTO DOS SANTOS ABEL

Naquela tarde de setembro de 1973, o Estádio Nacional do Chile estava repleto. Arquibancadas lotadas de prisioneiros. Só se ouvia a voz dos guardas, a multidão, silenciosa, o vazio do medo e da desolação. O comandante mandou tocar o Hino Nacional.
Na estaca, no meio do campo, todos também se puseram de pé. Minto: um não se levantou. Permaneceu deitado. Já tinha levado muita porrada. Ouvidos os últimos acordes, um silêncio mortal, pesado. Até hoje, sinto aquele vácuo. – Sargento Sanches! Vá lá ao centro do campo e providencie, para que aquele safado que não se levantou ao som do Hino Nacional, pague por isso –. Arrastei-me pelo campo, depois de séculos, cheguei à estaca. Queria odiá-lo. Olhando aquela massa informe, aquela massa de carne fragilizada, torturada, minha raiva esvaiu-se. Aquilo não era mais um ser humano. Só uma chaga.
– Sanches – rugiu o comandante – estou esperando. – Ele é o tocador de violão? Ele é o violeiro comunista? Corte-lhe as mãos. Já! –. Peguei o sabre, encostei a mão direita do prisioneiro na estaca. O coitado não resistiu. De um golpe, cortei-a. O braço esquerdo estava pousado no chão, aproveitei e decepei-lhe a outra mão. O miserável berrou raivoso. Um urro lamentável e insultuoso. Desmaiou.
O comandante ordenou: ? Dê-lhe um tiro nos cornos ?. Encostei a pistola na sua testa e disparei. – Sanches, meus parabéns. Tu és um macho!
Passaram-se os anos. Voltou a democracia. Veio acompanhada de uma lei de anistia. Escapei de todos os meus crimes. E não foram poucos. Remorsos? Acho que não. Cumpri o meu dever. Se tivesse de matá-lo de novo? Matava de novo. Nós estávamos numa guerra contra o comunismo. Tivemos de matar um presidente socialista. Por que não um violonista comunista, mesmo sendo o maior músico do Chile?
Passo os dias em paz, no meio da multidão. Agora, quando escurece e fico sozinho comigo mesmo... o cotó volta, apontando-se os braços sem mãos. Tenho-o dentro de mim, em cada polegada de meu ser. Eu o matei de estalo. Ele me mata aos poucos.


Mais informações pelo e-mail: oficinaeditores@oficinaeditores.com.br

grade de lançamento

generico cialis levitra senza ricetta viagra costo levitra acquisto cialis senza ricetta kamagra acquisto cialis prezzo kamagra italia acquisto kamagra comprare viagra acquisto levitra acquisto viagra viagra generico viagra comprare viagra acquisto levitra prezzo generico viagra cialis generico levitra generico